O que Deus diz sobre negócios

Uma introdução sobre BAM

Postado por Rodrigo Barbosa em 19 de Abril de 2018

1 - Ser BAM é ser um seguidor de Jesus

O que Jesus diz serem as principais características de seus verdadeiros seguidores? São aqueles que ajudam os famintos, os que tem sede, os que estão nus, os doentes e os que estão presos (Mateus 25). O desemprego é uma das maiores causas subjacentes à desnutrição e à fome, falta de moradia, doenças e acesso limitado a tratamento médico, à dívida e ao crime. Prover empregos às pessoas significa aliviar (e prevenir) essas terríveis condições. Alguém pode parafrasear as palavras de Jesus em Mateus 25 como: "Eu estive sem emprego e você me deu um!". Empreendedores têm um chamado especial para servir no mercado, fazendo negócios "como para o SENHOR".

2 - Ser BAM é estar enraizado na Escritura e na história

Deus é o primeiro empreendedor, que começou com uma ideia e criou um grande número de coisas boas. Nós fomos criados à imagem de Deus para sermos criativos e criar coisas boas também. Deus disse à Adão e Eva para "lavrar o jardim", e assim, estarem envolvidos em um processo de adição de valor e viverem relações de confiança. Assim, os negócios estão enraizados no caráter de Deus e em quem nós somos. A atividade central dos negócios de prover empregos significativos e sustentáveis é uma demonstração de justiça e amor, baseados no caráter de Deus. Na história, há muitos exemplos homens e mulheres tementes a Deus que O amaram e serviram pessoas através dos negócios. Abraão foi um homem bem-sucedido dos negócios. Jesus trabalhou em uma pequena empresa familiar por muitos anos. A honrosa mulher de Provérbios 31 é uma mulher de negócios. Nós deveríamos aprender com os missionários pioneiros como os nestorianos que conduziram negócios ao longo da Rota da Seda e os empreendedores morávios que tiveram um impacto de longo-alcance. "O Pai da Noruega Moderna" - Hans Nielsen Hauge (1771-1824) - testemunhou a transformação de pessoas e comunidades enquanto catalisava um movimento da igreja e facilitou um movimento de empreendedorismo.

3 - BAM é uma relevante resposta a necessidades

Onde você encontra os mais miseráveis, você provavelmente vai ver uma taxa de desemprego de 30 a 80 por cento. O nome de Jesus raramente é ouvido nessas regiões. E o desemprego desenfreado faz as pessoas ficarem vulneráveis a tráfico humano; a pequena perspectiva de empregos decentes cria ambientes de alto risco para o tráfico e a prostituição. Esses maus e necessidades urgentes estão correlacionado. Nós podemos nunca ter soluções de longo prazo, sustentáveis e relevantes a não ser que enderecemos problemas econômicos ao desenvolvimento de mercado. O Bam oferece uma extraordinária oportunidade de demonstrar o amor de Deus entre os menores, os perdidos e mais humildes.

4 - BAM é negócio com um propósito e impacto do Reino de Deus

BAM não é qualquer atividade comercial ou apenas um esquema de criação de empregos. A máfia russa faz negócios e o tráfico humano cria empregos. Negócios como Missão é sobre negócios reais, viáveis, sustentáveis e rentáveis; com o impacto do Reino de Deus ; levando à transformação de pessoas e de sociedades espiritual, econômica e socialmente - para a grande glória de Deus.

5 - BAM é transformação holística de indivíduos e sociedades

Por um lado, temos o limitado paradigma onde o lucro dos públicos de interesse é o propósito primário do negócio, e do outro, um paradigma mais amplo com outros públicos de interesse e linhas de fundo. A primeira - corporativa - considera o impacto social e ambiental do negócio e também reconhece a sociedade como um todo. O paradigma do BAM inclui todas as quatro linhas de fundo e também engaja o Corpo de Cristo na sua prestação de contas.

6- BAM é reconhecer o Corpo de Cristo

Nós precisamos desmembrar a "pirâmide de Cristo", que permeia muito do nosso pensamento, linguagem e ações. Nós temos a tendência de encorajar a subida da pirâmide, onde o "servir Deus em tempo integral" alcança o seu climax no topo. O pensamento gnóstico grego valoriza pessoas com "vocações espirituais" e olha para baixo sobre as pessoas que estão lidando com seus negócios no mundo comercial. Isso não é apenas uma heresia; isso também tem impedido cristãos no mundo dos negócios de completar seu chamado como pessoas de negócios. Se Deus te chamou para esse mundo, não seja pastor. Seu chamado em negócios é o seu principal e maior chamado. Assim como, se você é chamado para ser pastor, esse é o seu maior chamado.

7-BAM é um movimento global

Há um grande número de redes e consultorias nacionais e regionais de BAM. O movimento de Lausanne tem reconhecido a bíblica, imperativa e estratégica importância dos Negócios como Missão. Um número crescente de artigos e livros estão sendo publicados, igrejas e agências missionárias estão desenvolvendo programas de BAM e milhares de empresários estão se movimentando para se levantar dos bancos da igreja e oferecer o dinheiro, para fazer a diferença pelo mundo nos negócios, bem como através deles.

Texto traduzido de Mats Tunehag

Crédito da fotografia: chuttersnap