7 maneiras criativas

7 maneiras criativas usadas por profissionais para integrar missões e negócios

Postado por Rodrigo Barbosa em 15 de Maio de 2018

Uma característica definidora de uma empresa BAM é que ela integra, intencionalmente, missões e negócios. Mas o que isso quer dizer na prática? Como os profissionais desenvolvem seus objetivos pensando no impacto espiritual, junto aos seus objetivos comerciais, sociais e ambientais?

Nós pedimos para um pequeno grupo de profissionais compartilhar o que eles têm feito nos contextos de negócios, que os move para seus objetivos missionais e de impacto espiritual. Poderia ser algo que eles fizeram quando a empresa foi estabelecida, ou práticas que exercem regularmente no dia a dia da vida de negócios. Esses profissionais compartilharam uma gama de práticas diferentes e específicas, com alguns temas em comum.

Surgiram essas sete maneiras de integrar negócios e missões:

1. Mantenha o propósito à frente e no centro do seu negócio

Manter o propósito, a visão e os objetivos da empresa na linha de frente surgiu como um princípio-chave desses profissionais. Essa é uma ferramenta importante na jornada da empresa, desde as etapas de planejamento e estabelecimento de metas, até a avaliação dessas metas e escolha de medidas,até os processos de integração para novos contratados e à comunicação diária com os empregados.

"Nós passamos vários meses trabalhando em uma estratégia de impacto; documentando e articulando metas operacionais anuais e atividades que emergem a partir disso"  – David

"Além de um plano de negócios em andamento, com metas escritas e estabelecidas, existe um plano atual e anual baseado na Grande Comissão, com metas escritas e estabelecidas para o cumprimento da Grande Comissão a partir do negócio." – Dwight

"Nós compartilhamos a missão, a história e a cultura da empresa, junto ao papel da fé ou do testemunho pessoal do fundador durante a pré-orientação da nova equipe em potencial. Isso tudo para perguntar se a pessoa está "disposta a vir para esse tipo de ambiente". Nós conseguimos um acordo verbal de que eles estão entrando para uma empresa baseada em uma fé e princípios específicos, e embarcando em uma jornada para desafiar eles mesmos e para crescer. Nós entendemos que isso é essencial para administrar as expectativas e abrir as portas para um possível impacto espiritual."  – Mark

"Ajudar a equipe a apreciar o propósito maior no qual eles estão engajados é importante. Uma atividade fundamental de um líder é vincular o propósito à atividade. Ajudar a equipe a unir os pontos do"porquê" permite que eles façam parte e se comprometam com uma causa, mais do que apenas vir para trabalhar. Isso eleva o espírito deles sabendo que há um chamado maior que eles estão servindo."  – Liam

"Um dos proprietários está assumindo um trabalho que é como uma tutela da missão, visão e valores - que têm sido também claramente articulados. Essa pessoa tem um briefing itinerante, conversando com qualquer pessoa dentro da empresa, revisando documentos e avaliando se, em todos os níveis, estamos alinhados com nossa missão." – David

"No quadro de diretores (ideal) ou ainda no quadro de assessores, há um coordenador de estratégia que ajuda a garantir que hajam planos anuais da Grande Comissão que sejam ambiciosos, mas culturalmente viáveis"– Dwight

2. Traga a oração para o local de trabalho

A oração é uma parte essencial do trabalho de integrar missão e negócios para esses profissionais. Orações e devocionais tomam a forma de práticas específicas e diferentes nesses negócios, mas a principal mensagem é: "apenas faça isso".

"Algo que fazemos regularmente é orar pelas viagens e cursos que nós promovemos. Nós oramos pelos nossos clientes por nome, perguntando a Deus se Ele tem algo especial que nós devemos comunicar a eles ou focar naquela viagem em particular. Nós também oramos por cura quando alguém tem alguma doença ou ferimento. Muitas vezes, podemos orar por essa pessoa naquele momento, não importando se ela acredita ou não em Jesus."   – Anne

"Nós oramos com nossos funcionários quando eles têm problemas pessoais, e quando eu fico sabendo disso. Estar disposto a interromper sua vida para ministrar para alguém no escritório - ou um fornecedor ou cliente - que está machucado."   – André

"Nós temos devocionais com a equipe e aqueles que estão dispostos a liderar se revezam para isso."  – Julia

"Nós oramos com a equipe e por ela, e pedimos motivos de oração para não-cristãos também."  – Jai

"Nós providenciamos um espaço para os funcionários louvarem a Deus, antes que o horário de trabalho comece. O objetivo é convidar Sua presença em nossas vidas e no espaço da fábrica. Eu ando pela linha de produção com um par de líderes, ao final do dia, e oro para que os problemas daquele dia sejam depositados no Senhor, para que nós não levemos nenhum deles para casa. Eu também mantenho um registro do número de dias que esperamos por encomendas depois que os suprimentos acabaram e nós oramos. Em 25 anos, o máximo que nós esperamos foram 3 dias - quando oramos. Isso tem sido uma forma prática de construir fé no nosso time."  – Bill

3. Viva aquilo que você prega

A ideia de apresentar Jesus à pessoas e moldar princípios bíblicos no decorrer da vida cotidiana dos negócios foi um assunto comum. Viver a nossa fé no local de trabalho é uma poderosa testemunha para os outros. Essa é também uma forma prática de introduzir e ensinar a forma bíblica de pensar, demonstrando com o que o Reino de Deus se parece.

"Nós tentamos (e às vezes falhamos) fazer tudo de uma forma honrosa para Deus. A maior parte da nossa empresa sabe que nós somos cristãos e que acreditamos que trabalhar com integridade é por si só um forte testemunho. Nossas políticas são informadas e citam as Escrituras, isso serve como um lembrete de que existe uma sabedoria muito melhor que a nossa própria. Eu, pessoalmente, acho isso útil para encerrar uma semana ou um dia e perguntar pra mim mesmo "De que maneira eu fui como Jesus hoje?". A resposta costuma ser tanto útil quanto aterrorizante!."   – Jai

"Como regra geral, nós estamos conscientes de não participarmos de conversas para falar mal por trás de outras empresas e de seus líderes na nossa área local. Essa é uma maneira simples de se diferenciar dos outros e que é muito obvia para outras pessoas."   – Anne

"Em um nível muito prático, buscamos apenas pensar em como nós podemos refletir Jesus em nossas ações diárias. Um exemplo recente foi uma situação séria no ambiente de trabalho que poderia ter resultado na demissão de dois empregados muito vulneráveis. Os dois confessaram quando confrontados e pediram sinceramente por perdão. Nós conversamos sobre como Jesus lidou com "a mulher no poço" e a "mulher que quase foi apedrejada por adultério". No nosso contexto cultural, essas são histórias poderosas que se conectam, e o impacto foi muito, muito visível. Nós não fazemos estudos bíblicos formais no ambiente de trabalho, mas somos convictos de que tentar ser Jesus, e usar suas histórias quando surgirem oportunidades, têm um efeito poderoso."   – David

"Nós usamos os princípios de Mateus de 'buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e Sua justiça' e 'não se preocupar' quando criamos contratos. Nosso formato de contrato mostra tanto os direitos quanto as responsabilidades de cada parte, e encorajamos aqueles que acham que são 'pobres' a se lembrar das promessas de Deus para os justos e para aqueles que O buscam - e aí assinamos o contrato. Nós queremos mostrar que buscar o Reino é uma questão de aliança."   – Bill

4. Treine os funcionários

Outra maneira de transmitir os ensinamentos bíblicos e transformar cosmovisões é formalizando isso em um treinamento para os funcionários. Esses programas podem ser oferecidos de várias maneiras diferentes, usando materiais prontos ou personalizados, geralmente baseados em valores bíblicos freqüentemente conectados aos valores de empresa, claramente articulados.

"Nós, frequentemente, implantamos treinamentos que foram informados pela nossa cosmovisão como cristãos. Por exemplo, treinamos na resolução eficaz de conflitos, ou em oportunidades de emprego iguais. Explicamos que esses valores, e a razão pela qual realizamos o treinamento, foi pela maneira que enxergamos o mundo como cristãos. Isso possibilitou oportunidades para compartilhar."  – André

"Nós fizemos um 'curso de bons trabalhadores' não apenas para a nossa equipe, mas aberto para outros também. Ele cobriu as éticas de trabalho, habilidades de comunicação e integrou a auto-estima que vem do saber que você foi criado para um propósito. Nós usamos o livro "Purpose Driven Life" (Vida com Propósito) quando estávamos com nossa equipe."   – Julia

"Nós transmitimos os princípios de liderança baseados na Bíblia, semanalmente. Isso acontece por uma hora durante o dia de trabalho quando a empresa é fechada e nos dividimos em grupos para discutir e estabelecer metas a partir de princípios bíblicos."   – Mark

"Nós implementamos um programa de treinamento formal de funcionários em ética nos negócios, usando nosso próprio guia de estudos."   – Dwight/p>

5. Adicione sal

Muitos praticantes de BAM estão atentos à maneira que seus funcionários cristãos e não-cristãos interagem entre si. Eles estruturam suas empresas de tal maneira que existe um forum natural para que os cristãos tenham influência no local de trabalho. 

"Nós "adicionamos sal", empoderando os 25% de cristãos em diferentes departamentos e funções para amar e alcançar os que estão ao redor deles. Também criamos intencionalmente uma cultura e um ambiente onde ministrar e orar pelos funcionários acontece regularmente."   – Mark

"Algo que eu tento fazer é equilibrar minha proporção de crentes e não-crentes, para uma melhor atmosfera. Nós somos uma pequena empresa, por isso eu posso fazer isso. Eu também considero isso na contratação, juntamente com as habilidades dos funcionários. Eu me pergunto se essa pessoa é uma boa mentora para a pessoa com quem vai trabalhar. Um homem tagarela na minha equipe tinha uma caminhada de 30 anos com Cristo e o outro homem era alguém que buscava algo mais. Eles trabalhavam juntos todas as manhãs antes que qualquer pessoa estivesse acordada!"  – Julia

"Idealmente, a equipe administradora é multinacional e multiétnica. Nem todos os gerentes tem que ser cristãos mas a maioria deve ser de cristãos e nenhum gerente deve ser antagonista com os objetivos centrados no Reino, ou seja, eles entendem que esses são objetivos que apoiam as metas globais da empresa."  – Dwight

6. Construa relacionamentos intencionalmente

As empresas são construídas sob uma rede de relacionamentos, com funcionários, fornecedores, clientes e com a comunidade. Baseados na ideia de que os negócios promovem um contexto ideal para ser sal e luz para outros, os profissionais mencionaram hábitos e práticas que servem para fortalecer relacionamentos.

"Partir o pão juntos! Nós providenciamos um almoço simples e barato para a equipe, regularmente, com a expectativa de passar tempo compartilhando vida juntos e não simplesmente conversando."   – Mark

"Nós temos uma espécie de 'capelão' no nosso ambiente de trabalho, que é intimamente envolvido com a equipe; na fase de recrutamento, nas revisões de desempenho, andando pelo refeitório, ficando disponível em incidentes críticos no local de trabalho e em incidentes críticos que estão acontecendo na vida da equipe fora do contexto de trabalho, etc. Isso fornece uma ponte simples de que conversas profundas e eternas possam fluir."   – Liam

"Nós convidamos funcionários para nossa casa para jantar. Isso permite que eles vejam a vida do lar de um crente, se engajem em conversas que não acontecem naturalmente no trabalho e abre uma porta para compartilhar o evangelho."   – André

7. Conheça as necessidades práticas da comunidade

Parte da missão que Jesus deixou para o seu povo é responder as necessidades práticas das pessoas ao nosso redor. Claro, isso acontece conforme nós criamos empregos bons e estáveis para as pessoas e tratamos os funcionários com dignidade, mas há muitas outras maneiras criativas em que podemos mostrar o Reino de Deus em ação.

"Nós perguntamos para os funcionários que lutas eles têm enfrentado para que nós possamos ajudar de alguma forma. Primeiro, nós ficamos sabendo que se ambos os pais trabalham, então ninguém estará em casa com as crianças no verão. Por isso, nós desenvolvemos um programa de oito semanas, 5 dias na semana para os filhos dos funcionários. Mais de 450 crianças aceitaram o Senhor nos últimos 10 anos. Depois disso, os funcionários disseram que na vila deles, as crianças estavam sendo mortas pelo tráfico e afogadas nas valas de irrigação. Nós os organizamos para orar pelo vilarejo e pelos últimos 12 anos não ficamos sabendo de nenhum caso de morte de crianças por esses problemas".   – Bill

"Outra prática que ajuda muito é ter um projeto comum que é uma expressão da justiça social no qual a maior parte dos funcionários pode se envolver, não apenas financeiramente, mas na prática. Isso permite que eles estejam servindo ombro a ombro, fora do contexto comum de trabalho, apreciem as necessidades do mundo e estejam na companhia de seus colegas de trabalho."   – Liam

Essas são apenas sete maneiras páticas de integrar missão e negócios. Existem muito mais. Quais estratégias e hábitos você tem achado efetivos? Compartilhe suas ideias!

Texto traduzido de Jo Plummer

Crédito da fotografia: Nicolai Berntsen